Bem-vindo ao CEBI! (51) 3568-2560 | [email protected]

CEBI-GO: Escola de Formação de Lideranças Juvenis inicia em Anápolis

CEBI-GO: Escola de Formação de Lideranças Juvenis inicia em Anápolis
2 de março de 2017 Centro de Estudos Bíblicos
O CEBI Anápolis/GO, faz parceria com a Pastoral da Juventude para a formação de lideranças juvenis.

Escola de Formação de Lideranças Juvenis
1º Etapa – Mística e Espiritualidade

Uma forma diferente de viver a fé…

Nos dias 25 e 26 de fevereiro de 2017, iniciou a Escola de Formação de Lideranças juvenis, promovido pelo Grupo de Jovens JOAS da Paróquia de São Sebastião, diocese de Anápolis/GO. O encontro foi realizado na chácara dos Frades Franciscanos Capuchinho “Recanto do Sabiá”, e contou com a parceria entre o CEBI Anápolis e a Pastoral da Juventude.

A acolhida, motivada pelos coordenadores da etapa, Leandro Vilaça e Thais Ferreira, uniu os/as jovens em círculo na grama, onde eles/as se apresentaram com a dinâmica “Nós te acolhemos, te damos espaço e seguimos contigo”.

Antes de iniciar a assessoria, fizemos alguns acordos do que poderíamos e do que não poderíamos fazer no nosso ambiente, conosco, com o/a outro/a. A coordenação propôs também um desafio: o de sermos anjo de alguém, sem que este/a soubesse, e que fosse revelado ao final da nossa etapa, como um amigo secreto.

Espiritualidade e vivência

Logo o assessor Pedro Caixeta, que é do CEBI GO, convidou os/as participantes à sentarem com os pés unidos no meio em círculo fazendo lembrança da união e da cultura africana. Motivou a biodança na qual fomos provocados/as a nos conhecermos nos tocando e dançando livremente. Logo Leandro declamou o poema “O poço” motivando cada um/a a lavar suas mãos no poço.

Começamos com a conversa sobre a mística e espiritualidade na vivência do jeito pastoral (usar o coração e não razão, “sentir Deus”). No decorrer da manhã, o texto “O rosto risonho de Deus” foi utilizado para refletirmos as causas que lutamos e nossas experiências vividas e presenciadas.

Na parte da tarde foram apresentados alguns vídeos que nos fizeram perceber que apesar de toda dificuldade, não podemos abaixar a cabeça e menos ainda desistir dos nossos sonhos e utopias, nem mesmo de conseguirmos manter comunhão com os/as outros/as.

Descobrimos novas formas de rezar, falamos da diversidade religiosa e também sobre os mártires que doaram-se às causas que defendiam em prol da vida.

Com isso, nos reunimos em três grupos e confeccionamos estandartes de alguns mártires como: Ir. Dorothy, Nativo da Natividade, Pe. Josimo, Margarida, dentre outros/as…

Noite de celebrações

À noite, fizemos uma celebração de Vigília dos Mártires da Caminhada com os/as jovens e convidados/as. O ambiente foi iluminado com velas, onde recordamos a vida e falamos de nossas experiências vividas no decorrer do dia.

A leitura bíblica foi “As bem aventuranças”, rezamos o Salmo 34, cantamos o mantra “Vidas pela vida”, o hino “Se calarem a voz dos profetas” e para finalizar cantamos e dançamos em ciranda, a música Oração, que é dA banda mais bonita da cidade.

Mais tarde depois da janta, fizemos algumas brincadeiras de roda e cadeiras e cantamos numa noite cultural, com muitos ritmos e danças ao violão tocado pelo Gleiton e Otávio.

Novo despertar

No dia seguinte, já com a saudade começando a bater, fomos acordados/as ao som do violão do Gleiton e iniciamos nossa manhã com uma oração, falando sobre a Campanha da Fraternidade 2017 – Cultivar e guardar a criação e cantamos que “a terra é nossa mãe, devemos cuidar dela”.

Depois do café da manhã, Pedro Caixeta explicou como usamos o Ofício Divino da Juventude, ferramenta com a qual podemos rezar ao nosso modo, a nossa vontade, com o que sentimos e propôs três grupos para fazer um roteiro de um ofício com diferentes temas, escolhido pelo grupo e apresentar a todos.

Em seguida, uma atividade nova para a maioria do grupo: a leitura orante da Bíblia. Foi vivenciado um jeito diferente e válido de ler e entender a Palavra de Deus.

Ao final da assessoria, o Pedro Caixeta propôs que dançássemos catira e foi divertido. Por fim, Léo e Thais, fizeram o envio, relembrando o poema “O poço”, só que desta vez com os dois declamando e foi muito emocionante, pois repetiram as falas olhando nos olhos de cada um/a: EU TE AMO, EU TE QUERO, EU TE ENCONTREI… Revelamos assim o anjo e nos abençoando no poço dizendo “O Deus que está em mim, saúda o Deus que está em você”.

E terminamos esta etapa com um “Até logo”, pois sabemos que tão logo nos reencontraremos. Almoçamos e nos despedimos em meio a lágrimas e saudades já apertando no peito.

Partilhas…

Isabella, da coordenação do grupo de jovens JOAS:

“Esses dois dias foram muito bom e o Pedro Caixeta foi a melhor coisa que aconteceu para nós. Foi muito mais que só um aprendizado, e tudo que nos foi mostrado foi também vivenciado, com uma forma diferente de viver a fé. A Thais e o Léo foram ‘perfeitos’, souberam fazer com que cada minuto nosso tenha sido iluminado e mostrou-nos acolhimento e aconchego e pautaram que cada um/a fosse isso para o/a outro/a, preocupando com o bem estar, tanto ao acordar quanto ao dormir, ao nos alimentar, a participar… formamos uma família com a identidade de ser pastoral da juventude”

Gleiton, da coordenação do grupo de jovens JOAS:

“Essa primeira escola de formação foi muito gratificante e tenho certeza que todos/as voltaram com algo novo. Meu sentimento nesse encontro foi de trabalho realizado, de estar podendo proporcionar ao grupo um momento de conhecimento. Essa experiência ficará gravada em minha memória, juntamente com todas as pessoas que lá pude conhecer mais a fundo e as que acabei conhecendo nessa trajetória, pessoas que não tenho sombra de dúvidas que guardarei em meu peito, e um dos momentos que me proporcionou isso foi o anjo, que se resume em cuidar de uma pessoa, de conhecê-la. A parte que mais me tocou foi essa, pois mesmo não conhecendo a pessoa, ela verdadeiramente virou o meu anjo, um anjo que Deus colocou para cada um ali. Sim esse encontro me tornou uma pessoa melhor,  mais revigorada. Queria agradecer as pessoas que trabalharam para esse encontro e fizeram esse momento acontecer, obrigado por tudo”

Dany, participante da arquidiocese de Goiânia:

“Foi um fim de semana, não só de aprendizado, mas também maravilhoso e inédito, pois todos nós fomos tratados com igualdade, a coordenação da etapa e o assessor estavam conosco o tempo todo de modo que se mostraram participantes. O fato de estarmos livres e aprendendo como numa ‘brincadeira’ de deu uma vez que até nos momentos de descontração aprendemos coisas novas, nos conhecemos melhor e nos desligamos da nossa rotina, pois não usamos celular, nem rede social, nossa comunicação foi inteira presente fisicamente. Tudo partiu de nós também, nossas partilhas com relação aos temas, pois não é uma realidade distante”

Thais, coordenadora da etapa:

“Depois de um bom tempo sem vivenciar essa experiência, recebi este convite que foi um desafio, pois estou meio que enferrujada, foi tudo lindo, ver o rosto desses/as jovens e senti-los/as tão participativos/as e iterados/as é uma experiência que já deixou saudade e não vejo a hora da próxima etapa acontecer. Vivenciar essa espiritualidade é sempre um novo achado e lembrarmos a união, foi algo que me marcou com certeza, a cultura africana na qual crianças para apostar corrida deram as mão para que chegassem junto a linha de chegada foi simplesmente único e perfeito”

Léo, representante da PJ Anápolis, na PJ RCO:

“Cada momento vivido, cada olhar trocado e cada sorriso certifico que as juventudes estão vivas e na espera de seu protagonismo. Passamos acreditar que tudo se é possível. E nesta utopia viva, que acredito que dou meu suor e meus passos na certeza de que contribuí na construção da Civilização do Amor. São estes/as jovens que contribui na minha vida eu na vida deles para um marco diferenciado. Essa foi a primeira etapa da Escola de Liderança em Anápolis, um passo forte e marcante na vida de quem vivenciou pois estamos mostrando a fonte e lá eles/as e todos/as aqueles/as que acreditam se saciam da sua sede de justiça, de amor e de fé. Creio na juventude que vai além das paredes, que se capacita, que sonha e sonha juntos/as e é essa a minha causa, a minha luta: sermos jovens que não aceita vestir qualquer farda, mas sim ter uma causa para qual lutar e viver”

Fonte:

Coordenadores do grupo JOAS: Gleiton e Isabella
Assessoria: Pedro Caixeta
Coordenadores da etapa: Leandro Vilaça e Thais Ferreira
Texto de: Otávio Gomes e Dany Iara Silva
Redigido por: Thaís Ferreira