Bem-vindo ao CEBI! (51) 3568-2560 | [email protected]

A ação do Dragão em tempos de Golpe neoliberal

A ação do Dragão em tempos de Golpe neoliberal
8 de janeiro de 2018 Centro de Estudos Bíblicos
Confira o artigo de Ildo Bohn Gass publicado na Revista Garimpando das Irmãs da Divina Providência, de Cuiabá/MT.

Boa leitura!

A ação do Dragão em tempos de Golpe neoliberal

Usando a linguagem do Apocalipse, situemos, no contexto da crise do capitalismo mundial, o golpe de Estado em curso no Brasil. Ficaremos restritos a traços gerais, sem entrar em pormenores.

No livro do Apocalipse, você pode encontrar a análise de conjuntura feita pelas comunidades cristãs da Ásia Menor, hoje, oeste da Turquia. Eram os anos 90 no contexto da opressão do império romano sob Domiciano.

As comunidades do profeta João reconheceram em Jesus de Nazaré a encarnação de Deus, engajando-se na luta por justiça e pelo cuidado da vida, especialmente das pessoas mais excluídas. Identificaram o império e o imperador como bestas humanas, encarnação do Dragão ou Diabo (Ap 12-13). Dois projetos em conflito. O das elites imperiais e o dos povos colonizados e das comunidades cristãs. Violência e opressão de um lado. Resistência e luta por dignidade de outro.

No decorrer da história, sempre tivemos o conflito entre aqueles que adoram o Deus dinheiro e as pessoas fiéis ao Deus da vida. Aqueles oprimem, e estas sofrem a violência deles. Como você, também Jesus tem clareza a respeito dessa permanente luta de classes. É por isso que declara: “Não se pode servir a Deus e ao Dinheiro” (Mt 6,24).

São Basílio Magno (330-379) dizia que “o dinheiro é o esterco do Diabo”. E o papa Francisco fulmina: “O dinheiro é o esterco do Diabo quando o capital se torna um ídolo e dirige as opções humanas. Quando a avidez do dinheiro domina todo o sistema socioeconômico, ele arruína a sociedade, condena o ser humano, transforma-o em escravo, destrói a fraternidade e põe em risco esta nossa casa comum, a irmã Terra”. Não é por acaso que as comunidades paulinas afirmam ser “o amor ao dinheiro a origem de todos os males” (1Tm 6,10).

Desde a revolução industrial no séc. XVI, o capitalismo é o novo jeito de acumular o capital nas mãos de poucos e em detrimento da maioria. Esse sistema é autodestrutivo. Por isso, de tempos em tempos, sofre graves crises e precisa reciclar-se para seguir explorando a terra e a quem trabalha.

Nos anos 80 do século passado, iniciou uma nova fase na busca de sobrevivência do capitalismo. É sua versão neoliberal. Isso significa que o forte da exploração não é mais o trabalho da indústria, mas é a extorsão através do dinheiro. E o meio principal de exploração é o mercado financeiro, cujos instrumentos básicos são os bancos, as bolsas de valores, as contas em paraísos fiscais, os juros da dívida, etc.

O jeito neoliberal do capitalismo ganhou força nos anos 80 com os governos de Margaret Thatcher (Inglaterra) e Ronald Reagan (EUA). Suas teses fundamentais eram, de um lado, o “Estado mínimo”, por entenderem que apenas diminuído os serviços do Estado seria possível prover liberdade econômica aos cidadãos, de forma a que todos, inclusive os mais pobres, pudessem prosperar de forma independente. Nós, porém, sabemos que o resultado do Estado mínimo tem como consequência um povo sem direito à saúde, educação, ao trabalho digno, à aposentadoria, à segurança, etc.

De outro lado, o neoliberalismo defende que cada pessoa deve subir na vida com seus próprios esforços sem dever nada a ninguém, reforçando, desse modo o individualismo. Dizia Thatcher: “Não existe sociedade. O que existe são homens e mulheres, indivíduos e famílias”.

O que presenciamos no planeta insere-se nessa luta dos donos do capital contra os pobres do mundo. No Brasil, Collor foi o primeiro presidente a aderir em cheio a esse projeto das bestas apocalípticas que encarnam o Diabo hoje. O governo FHC seguiu firme na implantação desse projeto diabólico. No entanto, o governo trabalhista, Lula e Dilma, dificultou essa sangria neoliberal. Essa é a razão do golpe de Estado no Brasil, e que ainda está em curso, inserindo-se nessa retomada neoliberal para salvar o capitalismo em crise a nível mundial.

Os eixos do golpe são: favorecer os rentistas (banqueiros, investidores), retirar os direitos do povo, entregar riquezas às elites econômicas do mundo e proteger os corruptos nacionais que se venderam para executar o golpe a serviço dos magnatas. Todos eles não podem suportar um governo que, embora em escala pequena, promove políticas de distribuição de renda, de inclusão, de inserção soberana do Brasil no cenário internacional como os BRIC’s, políticas de conteúdo nacional para a cadeia de Petróleo e Gás, etc. A “Casa Grande” não aceita que a “Senzala” suba um único degrau na longa escada que coloca as elites financeiras, industriais e do agronegócio, de um lado e, de outro, o povo.

Na linguagem do Apocalipse, os plutocratas do mundo são a besta que vem do mar e encarna o Dragão (Ap 13,1-10). E os que, no caso brasileiro, legitimam o golpe, isto é, juízes do STF, procuradores do MPF, delegados da PF, mídia e a cleptocracia que assaltou o Planalto e o Congresso, são a besta que vem da terra (Ap 13,11ss) e que está a serviço da besta que vem do mar.

Apesar do sofrimento causado pela violência neoliberal, pelo ódio e pela perseguição, sigamos firmes, tal como as comunidades originárias, resistindo e lutando por novos céus e nova terra onde habitará a justiça (cf. Ap 21,1–2,5; 2Pd 3,13). “Felizes os perseguidos por causa da justiça…” (Mt 5,10).

Fonte: Texto de Ildo Bohn Gass, biblista, assessor e Secretário de Formação do Centro de Estudos Bíblicos. O artigo foi publicado em Revista Garimpando, Ano 31, Nº 105, Set-Dez/2017. Irmãs da Divina Providência, Cuiabá/MT, p. 31-34.

Ilustração de capa retirada de lajeringacubana.wordpress.com.